Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



16
Jun16

FENÓMENOS...RELIGIOSOS

por entratenamente

Lidamos certos temas com cuidados e pinças, há tanta ideia frágil, tanta opinião que pode estilhaçar amizades se não for bem interpretada...O facto de ensinar – e sobretudo aprender – o fenómeno religioso, por exemplo, não faz de mim um crente, mas consolida profundamente as crenças intelectuais que sempre me estruturaram. Quando digo isto em voz alta, há quem me olhe de soslaio; tentar fazer entender a alguns que o que me distancia das estruturas de crença é exatamente igual ao que aproxima outros tantos das mesmas estruturas, então, ainda é mais difícil de dar a entender. Confesso que tenho muita pena que pessoas que muito estimo acreditem em certas coisas. Elas pensarão o mesmo de mim. Elas encontram em ilusões coletivas o ilusionismo da sua individualidade. Eu vivo na graça da ilusão utópica. Não chego a verter lágrimas, mas faço um esforço enorme para aceitar aquilo que nelas me parece ser um mero arcaísmo. Mitologias e revelações nunca me fizeram entender quem sou, nem a natureza do mundo. Mas a verdade é que a verdade sempre foi inalcançável, em todos os tempos e lugares em que a procuraram. Uma das crenças que cresce – e que difere das utopias humanas, como a fé difere da razão – é essa dos nacionalismos, coisa vertida pelas ideologias sobre povos de individualismos preciosos. Uma das causas é exatamente a da territorialização das fés religiosas, um dos mecanismos mais ousados para o sentido do Nacional. A união pela língua, claro, ou a evolução das concepções do tempo está-lhe no germe. O que dizer por exemplo de um grupo de governantes que exibe a bandeira (nacional; símbolo da Nação) e vende a pátria enquanto lhe representa o Estado? Conceitos tramados, estes. O sentimento cultural e nacional de se pertencer a uma nação, leva-nos por vezes por cima da diferenças. E andamos à pancada pelas ruas da amargura para defender a honra das nossas cores, por exemplo as da seleção nacional em terras estrangeiras. Não deixa de ser tudo isto pertença de um mesmo conjunto: o dos fenómenos religiosos. É nas estruturas de crença que, afinal, o homem mais se dilui e mais se afasta do fantástico potencial em que podia crer(-se).

 

Alexandre Honrado

Autoria e outros dados (tags, etc)